DALTON DI FRANCO

DALTON DI FRANCO
Jornalista, escritor, radialista, administrador de empresas, pós-graduado, professor universitário e Advogado. Ele já foi vereador, deputado estadual e vice-prefeito de Porto Velho (RO)

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

MARCO REZENDE FALA EM VÍDEO AO SITE RONDONIAGORA


O candidato a deputado estadual Marco Rezende falou de suas propostas para a Assembleia Legislativa a jornalista Ivonete Gomes, da AllTV. Ele voltou a defender um choque de ordem na fiscalização das ações do governo e da feitura de leis para beneficiar o povo, especialmente na área da Segurança Pública.

Veja o video da entrevista de Marco Rezende no link: http://server1-rondoniagora.net.br/rondoniagora/videos/MarcoRezende_Cand_Dep_Estadual_PDT_27_09_2010.flv

terça-feira, 28 de setembro de 2010

DALTON DI FRANCO DIZ QUE O POVO QUER MARCO REZENDE DEPUTADO ESTADUAL






O apresentador do programa Plantão de Polícia disse nesta terça-feira que o povo quer Marco Rezende deputado estadual.

“Por onde temos passado a voz do povo é uma só: MARCO REZENDE, deputado estadual. Além de ser ficha limpa, qualidade que todo cidadão deve ter, Marco está preparado.

Ele conhece os problemas que afligem a todos nós. Ele representa as mudanças.

Chega de ladroagem, bandidagem, pilantragem. Vamos tirar da Assembleia a corja que só nós envergonha. O futuro governador, Confúcio Moura, tem projetos para Rondônia e precisa de bons deputados como Marco Rezende”, afirmou Dalton Di Franco.

MARCO REZENDE 12312 teve importante atuação no programa Plantão de Polícia, ajudando Dalton Di Franco a resolver muitas questões do povo.

"É por isso que ele será eleito. Ele tem serviços prestados. Não chega de mãos vazias", finalizou Dalton Di Franco pedindo a todos que votem e recomendem o nome de MARCO REZENDE deputado estadual.

12312 é o numero dele.

JORNAIS DA CAPITAL DÃO DESTAQUE AO CRESCIMENTO DA CAMPANHA DE MARCO REZENDE PARA DEPUTADO ESTADUAL


O crescimento da campanha de Marco Rezende 12312 para deputado estadual é destaque nesta terça-feira em dois principais jornais da Capital, O ESTADÃO e DIÁRIO DA AMAZÔNIA.

Sob o título Campanha de Marco Rezende ganha às ruas e conquista adesões, O ESTADÃO fala que o resultado do crescimento vem da necessidade de mudanças que o eleitor quer nestas eleições.

Marco Rezende é benquisto por onde passa. Ele é reconhecido pelo trabalho que realizou no Plantão de Polícia junto com Dalton Di Franco, informa O ESTADÃO.

O DIÁRIO DA AMAZÔNIA destaca que o crescimento de MARCO REZENDE junto ao eleitorado resulta de suas ideias propostas para o ESTADO DE RONDÔNIA.

O jornal dá destaque a um pronunciamento feito por Marco Rezende em que ele diz que Rondônia precisa de um choque de ordem.

Ele vem se destacando na mídia rondoniense, abordando questões polêmicas, dentre elas, a chacina ocorrida no presídio Urso Branco, em 2002, que resultou na morte de 27 detentos.

Esse choque, segundo Marco Rezende, precisa começar por Porto Velho e se irradiar pelo Estado: “Estão vendendo Rondônia para todo o Brasil como se fosse o novo Eldorado. O problema é que muitos que aqui chegam não querem saber dos problemas do povo rondoniense. Querem apenas usufruir das oportunidades, e recaem sobre nós as preocupações com os problemas inerentes a superpopulação: saúde, segurança pública, habitação, trânsito, educação, dentre outros problemas”.

QUAL SERIA O CAMINHO PARA ESSE “CHOQUE DE ORDEM” ?

MARCO REZENDE - O primeiro passo é reforçar o Poder Legislativo Estadual com a presença de gente comprometida com os problemas de cada município de Rondônia. Um exemplo é o que está acontecendo em alguns municípios, onde foram lançados recentemente os movimentos “Cacoal Vota em Cacoal” e “Ji-paraná vota em Ji-paraná”, conclamando seus eleitores para votarem somente nos candidatos dessas. O mesmo ocorrerá nos demais municípios vizinhos.

Porto Velho também precisa despertar para essa necessidade. Há uma cultura por aqui de se votar nos candidatos do interior, mas Porto Velho, sozinha, tem grande potencial eleitoral. Aqui são cerca de 280 mil eleitores. Os parlamentares do interior, quando eleitos, priorizam para seus respectivos municípios a destinação de emendas e recursos. Assim, Porto Velho, com seus distritos e comunidades do Baixo-Madeira, continuam sendo esquecidos em meio aos seus problemas. Essa mesma realidade abrange Candeias, Itapuã do Oeste, Jacy-Paraná, Nova Mamoré, Guajará-mirim…

O QUE O SENHOR MUDARIA COMO DEPUTADO ESTADUAL?

MARCO REZENDE – Buscarei realizar as funções de um Deputado Estadual com o mesmo zelo que empreguei em minha vida profissional, ao longo desses mais de 20 anos como funcionário público. Fiscalizarei o governo e criarei leis que possam melhorar a vida do sofrido povo rondoniense. Podemos dividir as áreas de atuação assim:

NA SAÚDE

“Saúde não é questão apenas de ser municipal ou ser estadual. É questão de ser humano. Admitir pessoas jogadas no chão dos hospitais é de uma desumanidade sem fim. Admitir que é normal esperar três meses em uma fila para uma consulta ou exame é uma afronta à dignidade da pessoa humana. Precisamos construir mais dois pronto-socorros e um hospital de nível secundário para que Porto Velho assuma, definitivamente, sua posição na saúde, deixando o Hospital de Base apenas com o nível terciário de atendimento, pois este pertence mesmo ao Estado”.

“Hoje, Rondônia tem apenas 8 leitos de UTI pediátrica para atender ao Estado todo, e o número de leitos de UTI para adultos não é suficiente. Além disso, precisamos transformar em realidade as 3 UPAs 24 horas, equipando as unidades que já existem e criando novos espaços, aproveitando os postos de saúde, e as estabelecendo nas zonas de maior concentração populacional da capital”.

EDUCAÇÃO

“Para a Educação, sou adepto da teoria adotada por Darcy Ribeiro: “escola em tempo integral”. Isso vai ajudar a nos tirar do déficit educacional que apresentamos nas avaliações nacionais do ensino estadual, e vai tirar as crianças e jovens das ruas, fazendo com que melhoremos, conjuntamente, nossa segurança pública. Precisamos, ainda, construir uma escola profissionalizante, para inserirmos nossos jovens no mercado de trabalho trazido pelas usinas e pela abertura para o pacífico. Por fim, vou lutar pela criação de uma Escola Modelar de Educação Inclusiva, para darmos iguais condições aos nossos deficientes físicos, para ingressarem no mercado de trabalho”.

SEGURANÇA PÚBLICA

“Com relação à Segurança Pública, assunto que tenho mais proximidade, creio que o melhor caminho é a criação de um Gabinete de Gestão Integrada e da aproximação polícia e cidadão, através da Policia Comunitária. Temos exemplos nacionais de locais que zeraram os índices de violência, quando fizeram essa dobradinha. A título de exemplo, o Amazonas e o Rio de Janeiro, com suas UPPs (Unidades de Polícia Pacificadora).”

VALORIZAÇÃO DO SERVIDOR

“Para que todas essas idéias – que proponho colocar em pratica – dêem certo, é preciso que haja uma valorização do funcionalismo público estadual. Eu, que sou funcionário público há mais de 20 anos, sei que sem essa valorização as coisas ficam complicadas. Precisamos rever os planos de cargos e salários dos servidores dessas três áreas fundamentais acima citadas e abrirmos novos concursos. Funcionário público precisa de respeito e não de cassetetes e de gás-pimenta.”

POLICIAIS E AGENTES PENITENCIÁRIOS

“Tenho acompanhado a tramitação da PEC 300 e da PEC 308. Vou fazer o possível para ajudar no andamento e dar celeridade na implantação das mesmas em nosso Estado. Precisamos igualar o salário de nossos policiais aos dos policiais de Brasília e é de extrema urgência que seja criada a Polícia Penal, para evitarmos novas chacinas nos presídios e darmos melhores condições de trabalho e melhores salários aos bravos agentes penitenciários de Rondônia.”.

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Marco Rezende recebe apoio de moradores da Capital para ser o deputado estadual de Porto Velho




Com a minha eleição, Porto Velho terá um deputado estadual defendendo os interesses da população residente na Capital, afirmou Marco Rezende, durante reunião no bairro Igarapé, com alunos da ACCD, Associação Centro de Convivência Desportiva. Marco Rezende disputa a eleição pelo PDT, com o número 12312.

Com notória participação no programa Plantão de Polícia com Dalton Di Franco, ele é conhecedor dos problemas sociais que afligem as pessoas menores favorecidas.

“É um indignidade ver o povo enfrentando dificuldades para conseguir um atendimento médico, até mesmo para marcar um exame. É um absurdo ver as pessoas trancadas atrás de grades enquanto a criminalidade prospera. Não posso admitir essas coisas. Vou para a Assembleia Legislativa para denunciar essas mazelas e propor soluções”, afirmou Marco Rezende.

O candidato do povo, como Dalton Di Franco chama Marco Rezende, estará ainda lutando por melhorias para o funcionalismo público e pela implantação de programas de valorização e preparação dos jovens. “Precisamos cuidar da nossa juventude, com projetos sociais de grande envolvimento como os que o nosso candidato a governador Confúcio Moura tem proposto em sua campanha”, afirmou.

Dalton Di Franco, que já foi vereador e deputado estadual, disse na reunião que com Marco Rezende eleito deputado estadual Porto Velho terá um defensor.

“Marco Rezende é a pessoa mais preparada para ser o nosso deputado. É ficha limpa e homem de palavra”, finalizou o apresentador do programa Plantão de Polícia.

O casal Elcio e Leda, que lidera o projeto da ACCD na zona Norte, manifestou apoio a Marco Rezende, pedindo a todos os presentes para que votem maciçamente no candidato 12312.

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

CANDIDATO MARCO REZENDE DIZ QUE RONDÔNIA PRECISA DE UM CHOQUE DE ORDEM

Rondônia precisa de um ‘Choque de Ordem. A frase acima é do Dr. Marco Rezende, especialista em Direito Penal e Processual Penal e candidato a Deputado Estadual, com o nº 12312. Ele vem se destacando na mídia rondoniense, abordando questões polêmicas, dentre elas, a chacina ocorrida no presídio Urso Branco, em 2002, que resultou na morte de 27 detentos.

Esse choque, segundo Marco Rezende, precisa começar por Porto Velho e se irradiar pelo Estado: “Estão vendendo Rondônia para todo o Brasil como se fosse o novo Eldorado. O problema é que muitos que aqui chegam não querem saber dos problemas do povo rondoniense. Querem apenas usufruir das oportunidades, e recaem sobre nós as preocupações com os problemas inerentes a superpopulação: saúde, segurança pública, habitação, trânsito, educação, dentre outros problemas”.

QUAL SERIA O CAMINHO PARA ESSE “CHOQUE DE ORDEM” ?

MARCO REZENDE - O primeiro passo é reforçar o Poder Legislativo Estadual com a presença de gente comprometida com os problemas de cada município de Rondônia. Um exemplo é o que está acontecendo em alguns municípios, onde foram lançados recentemente os movimentos “Cacoal Vota em Cacoal” e “Ji-paraná vota em Ji-paraná”, conclamando seus eleitores para votarem somente nos candidatos dessas. O mesmo ocorrerá nos demais municípios vizinhos.

Porto Velho também precisa despertar para essa necessidade. Há uma cultura por aqui de se votar nos candidatos do interior, mas Porto Velho, sozinha, tem grande potencial eleitoral. Aqui são cerca de 280 mil eleitores. Os parlamentares do interior, quando eleitos, priorizam para seus respectivos municípios a destinação de emendas e recursos. Assim, Porto Velho, com seus distritos e comunidades do Baixo-Madeira, continuam sendo esquecidos em meio aos seus problemas. Essa mesma realidade abrange Candeias, Itapuã do Oeste, Jacy-Paraná, Nova Mamoré, Guajará-mirim…

O QUE O SENHOR MUDARIA COMO DEPUTADO ESTADUAL?

MARCO REZENDE – Buscarei realizar as funções de um Deputado Estadual com o mesmo zelo que empreguei em minha vida profissional, ao longo desses mais de 20 anos como funcionário público. Fiscalizarei o governo e criarei leis que possam melhorar a vida do sofrido povo rondoniense. Podemos dividir as áreas de atuação assim:

NA SAÚDE

“Saúde não é questão apenas de ser municipal ou ser estadual. É questão de ser humano. Admitir pessoas jogadas no chão dos hospitais é de uma desumanidade sem fim. Admitir que é normal esperar três meses em uma fila para uma consulta ou exame é uma afronta à dignidade da pessoa humana. Precisamos construir mais dois pronto-socorros e um hospital de nível secundário para que Porto Velho assuma, definitivamente, sua posição na saúde, deixando o Hospital de Base apenas com o nível terciário de atendimento, pois este pertence mesmo ao Estado”.

“Hoje, Rondônia tem apenas 8 leitos de UTI pediátrica para atender ao Estado todo, e o número de leitos de UTI para adultos não é suficiente. Além disso, precisamos transformar em realidade as 3 UPAs 24 horas, equipando as unidades que já existem e criando novos espaços, aproveitando os postos de saúde, e as estabelecendo nas zonas de maior concentração populacional da capital”.

EDUCAÇÃO

“Para a Educação, sou adepto da teoria adotada por Darcy Ribeiro: “escola em tempo integral”. Isso vai ajudar a nos tirar do déficit educacional que apresentamos nas avaliações nacionais do ensino estadual, e vai tirar as crianças e jovens das ruas, fazendo com que melhoremos, conjuntamente, nossa segurança pública. Precisamos, ainda, construir uma escola profissionalizante, para inserirmos nossos jovens no mercado de trabalho trazido pelas usinas e pela abertura para o pacífico. Por fim, vou lutar pela criação de uma Escola Modelar de Educação Inclusiva, para darmos iguais condições aos nossos deficientes físicos, para ingressarem no mercado de trabalho”.

SEGURANÇA PÚBLICA

“Com relação à Segurança Pública, assunto que tenho mais proximidade, creio que o melhor caminho é a criação de um Gabinete de Gestão Integrada e da aproximação polícia e cidadão, através da Policia Comunitária. Temos exemplos nacionais de locais que zeraram os índices de violência, quando fizeram essa dobradinha. A título de exemplo, o Amazonas e o Rio de Janeiro, com suas UPPs (Unidades de Polícia Pacificadora).”

VALORIZAÇÃO DO SERVIDOR

“Para que todas essas idéias – que proponho colocar em pratica – dêem certo, é preciso que haja uma valorização do funcionalismo público estadual. Eu, que sou funcionário público há mais de 20 anos, sei que sem essa valorização as coisas ficam complicadas. Precisamos rever os planos de cargos e salários dos servidores dessas três áreas fundamentais acima citadas e abrirmos novos concursos. Funcionário público precisa de respeito e não de cassetetes e de gás-pimenta.”

POLICIAIS E AGENTES PENITENCIÁRIOS

“Tenho acompanhado a tramitação da PEC 300 e da PEC 308. Vou fazer o possível para ajudar no andamento e dar celeridade na implantação das mesmas em nosso Estado. Precisamos igualar o salário de nossos policiais aos dos policiais de Brasília e é de extrema urgência que seja criada a Polícia Penal, para evitarmos novas chacinas nos presídios e darmos melhores condições de trabalho e melhores salários aos bravos agentes penitenciários de Rondônia.”.

Julgamento do Ficha Limpa empata no STF e presidente suspende a sessão sem um resultado defintivo; Corte deve esperar a nomeação do novo ministro

Julgamento do Ficha Limpa empata no STF e presidente suspende a sessão sem um resultado defintivo; Corte deve esperar a nomeação do novo ministro

O julgamento sobre a Lei da Ficha Limpa no STF (Supremo Tribunal Federal) terminou empatado, com cinco votos favoráveis e cinco contrários à aplicação imediata da norma já nas eleições de 2010. O empate não conseguiu ser desfeito e os ministros não conseguiram entrar em consenso.

A expectativa é que a Corte agora aguarde a nomeação de um novo Ministro para desempatar a votação. A proposta paritiu do presidente do STF, Cesar Peluzo.

Peluso propõe aguardar a nomeação do ministro que substituirá Eros Grau. “A sociedade sabe que estamos num impasse”, diz.

O presidente ainda se compromete a, em caso do recurso não ser julgado até a véspera da diplomação, reunir a corte para votar se o candidato impugnado poderá ou não tomar posse caso eleito.

A Corte julgou nesta quinta-feira (23) recurso do candidato Joaquim Roriz (PSC) contra seu enquadramento como ficha suja. Os ministros Ellen Gracie, Ricardo Lewandowski, Joaquim Barbosa e Cármen Lúcia decidiram seguir entendimento apresentado ontem pelo relator do pedido, Carlos Ayres Britto, para manter a Lei da Ficha Limpa. Já o presidente da Corte, Cezar Peluso, Celso de Mello, Marco Aurélio de Mello, Gilmar Mendes e Dias Toffoli defenderam a constitucionalidade da nova legislação, com a ressalva de que a norma não pode ser aplicada no pleito de 2010.

Segundo a lei, fica inelegível, por oito anos, político condenado por mais de um juiz por crimes eleitorais (compra de votos, fraude, falsificação de documento público), lavagem e ocultação de bens, improbidade administrativa, entre outros.

Votos

O último voto apresentado foi do ministro Cezar Peluso. “Fico vencido, mas, mais do que nunca, não convencido”, disse o ministro, avaliando a questão, segundo ele, “à luz da Constituição”.

Peluso afirmou que o Supremo não se está a julgar pessoas, e sim atos. “Somos todos favoráveis à moralização dos costumes políticos, do respeito aos valores éticos nas disputas eleitorais”, disse. “Não me comovem pressões provindas da opinião pública, ou de segmentos do povo ou de instituições, por mais respeitáveis que sejam. A função de uma Corte constitucional não é atender as vontades de segmentos, é atender o que o povo positivou na sua Constituição.”

“Um tribunal que atenda a pretensões legítimas da população ao arrepio da Constituição, é um tribunal que nem o povo pode confiar”, continuou em seu voto. "Tampouco me parece que a função do poder Judiciário usurpar ao povo um poder elementar do povo que é escolher os seus governantes. É o povo que deve avaliar a idoneidade dos seus candidatos, independentemente de suas condições de elegibilidade."

Antes de decidir sobre o caso de Roriz, os ministros julgaram se a lei teria um vício formal em sua origem. A maioria decidiu não analisar o argumento imprevisto, inserido ontem no processo por Peluso, que alegou que o texto violou o processo constitucional legislativo, “porque não foram adotadas as exigências de tramitação no caso de emenda”. Ele afirmou se tratar de um “caso de arremedo de lei”.

Peluso voltou a defender que o texto deveria voltar para a Câmara, mas que, mesmo uma lei considerada constitucional, não deve valer em menos de um ano de sua publicação “paradar estabilidade ao processo eleitoral e garantir que a lei não retroaja para não atingir situações consolidadas no passado e não ferir o princípio da segurança jurídica”.

Ainda segundo o presidente da Corte, impedir a candidatura de Roriz pode ser interpretado como uma sanção. “Um dos casos mais manifestos de casuísmo”, porque a lei está “apanhando no passado atos que não puderam ser evitados”. “O que se pode dizer de uma lei destinada a apanhar pessoas determinadas?”

Assim, votou para que a Lei da Ficha Limpa não se aplique a ele ou outros candidatos retroativamente. "Reotragindo, ela viola vários direitos de ordem constitucionais, o que poderia ser resumido à dignidade da pessoa humana."

Estadão com UOL

Entenda o que está em julgamento

Ao julgar o recurso do candidato ao governo do Distrito Federal, o Supremo julga também o futuro da Lei da Ficha Limpa, que impede a candidatura de políticos condenados. Os ministros devem decidir se revertem a cassação do registro de Roriz, barrado no TRE (Tribunal Regional Eleitoral) do DF e no TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

O pedido é o primeiro contestando a lei a ser analisado pela Corte suprema do país, por isso, o entendimento deve respaldar a aplicação da nova norma aos demais candidatos.

Voto do relator

Como relator do recurso, o ministro Carlos Ayres Britto apresentou nesta quarta (22) voto pela aplicação da Lei da Ficha Limpa a todos os candidatos já nas eleições 2010. Segundo Britto, a norma obedece a Constituição e nasceu legitimada pela vontade popular. “Vida pregressa não é vida futura”, afirmou.

Antes do início do voto, o plenário reconheceu repercussão geral do recurso, ou seja, o mérito da questão e a decisão proveniente da análise deverão ser aplicados posteriormente pelas instâncias inferiores, em casos idênticos. A sessão foi interrompida por Dias Toffoli, e hoje retomada com seu voto-vista.

O caso

Roriz renunciou ao mandato de senador, em 2007, para fugir de processo de cassação por quebra de decoro parlamentar. A Lei da Ficha Limpa proíbe a candidatura de políticos nessas condições, assim como daqueles que possuam condenações por decisão colegiada (por mais de um membro do Judiciário).

Um dos argumentos da defesa do candidato é de que a lei não se aplica a seu caso, porque a renúncia ocorreu antes da promulgação da norma. Além disso, diz que o ato de renunciar ao mandato parlamentar é garantido constitucionalmente. Segundo a Lei da Ficha Limpa, o político que renunciar para não ser cassado fica inelegível por oito anos após o fim do mandato que cumpriria.

Os advogados também dizem que a norma viola o princípio da presunção de inocência e não pode ser aplicada nas eleições 2010, sob a tese de que vai contra o artigo 16 da Constituição Federal, que estabelece que qualquer lei que altere o processo eleitoral deve demorar um ano para entrar em vigor. A lei foi aprovada em junho deste ano.

Insegurança jurídica

Em agosto deste ano, o TSE confirmou que a lei retroage, atingindo candidatos com condenações anteriores à norma. Mas, diante da ausência de um posicionamento do Supremo sobre a constitucionalidade da legislação, TREs e o próprio TSE já liberaram concorrentes nessas condições. Ministros do Supremo, em decisões monocráticas, também já liberaram candidatos. Os pedidos são julgados um a um.

O Supremo está dividido sobre o tema, e há grande possibilidade de empate. Nesse caso, mais uma controvérsia pode entrar na pauta do plenário: o chamado voto de qualidade, proferido pelo presidente da Corte para desempatar a questão.

Nos casos de declaração de inconstitucionalidade, há discussão sobre se cabe o mecanismo. Embora o regimento interno da Corte permita o voto, pela Constituição, seria necessária a maioria absoluta dos membros do STF para derrubar uma lei. Se não houver maioria, o empate significa que a lei continua em vigor.

Estadão com UOL

PASSO A PASSO DO JULGAMENTO

01h09 - Peluso propõe aguardar a nomeação do ministro que substituirá Eros Grau. “A sociedade sabe que estamos num impasse”, diz.

01h03 - Marco Aurélio propõe que Eros Grau retorne para decidir o julgamento, mas aceita o pedido de Ellen Gracie.

01h01 - Ellen Gracie pede a suspensão do julgamento ou o adiamento para esta sexta-feira. “Talvez fosse melhor refletirmos sobre essa questão”, diz. “Entendo que estamos prontos para concluir isso o mais rápido possível”, responde Lewandowski.

0h56 - Cármem Lúcia e Lewandowski defendem a aplicação imediata da lei, mantendo a decisão do TSE. Para Gilmar Mendes, “não se deve levar em consideração a decisão de um tribunal inferior”.

0h54 - “Estamos numa situação que caberia aguardar outra nomeação (para o STF)”, afirma Toffoli. 0h48 - Toffoli: “Só se poderia declarar empate em outra circunstância”.

0h42 - “Não tenho vocação para désposta”, afirma Cezar Peluso a Ayres Britto, que perguntou o que fazer em caso de novo empate.

0h33 - Peluso não quer dar voto de minerva. O ministro Ricardo Lewandowski quer a manutenção da lei, já que não houve maioria para derrubá-la.

0h22 - Havendo, por ausência ou falta de um ministro nos termos do artigo 13, inciso 9º, empate numa matéria, proclama-se a decisão contra o recorrente. Ministros discutem o que fazer diante do empate.

0h18 - Peluso: “Uma renúncia operada no passado deixa a pessoa em que situação? Digo que deixa em uma situação de menor dignidade. A pessoa se torna um objeto da ordem jurídica”. Ele acompanha o voto contra a Lei da Ficha Limpa e empata o julgamento: 5 x 5.

0h13 - “É indispensável distinguir entre causas de inelegibilidade que causem do agente que ele possa evitar”, afirma Peluso.

0h06 - O presidente do STF diz que a Lei da Ficha Limpa não pode ter efeito retroativo.

0h01 - Peluso: “O texto que veio da Câmara era obscuro?”. Ele diz que o texto, depois da alteração do senador Francisco Dornelles (PP-RJ), deveria ter retornado à Câmara.

23h49 - Peluso: “A mudança de redação mostrava a necessidade de voltar à Câmara”.

23h46 - “Um tribunal que aje ao arrepio do povo é um tribunal que o povo não pode confiar. É o povo que deve avaliar a idoneidade de seus candidatos”, afirma Peluso.

23h44 - Celso de Mello encerra sua fala acompanhando os ministros Toffoli, Mendes e Marco Aurélio. Peluso: “Dada a relevância do caso não posso deixar de fazer algumas considerações. Somos todos favoráveis à mobilização dos costumes políticos, a tudo aquilo que concorra para a solidificação do processo democrático. O que a mim me parece, é que não me comovem impressões provindas da opinião pública”.

23h30 - “Se o ilícito ocorreu antes da aplicação da lei, como retroativar? Essa pergunta me parece retórica”, diz Celso. Para ele, “não pode haver punição a quem renuncia ao mandato.

23h15 - Celso de Melo elogia os votos de Dias Toffoli e de Gilmar Mendes.

23h05 - Celso: “Qualquer que seja o marco temporal a ser considerado na espécie para a escolha de candidatos – 10 de julho de 2010 – ou até o dia 3 de outubro situam-se a menos de um ano da data em que é publicada a Lei Complementar”. Para o ministro, a Lei da Ficha Limpa não pode valer nestas eleições.

22h59 - “As instituições legislativas não podem ficar ao sabor de dirigismos normativos das forças dominantes de cada período”, afirma o ministro.

22h55 - Celso: “O texto em questão diferiu o início da eficácia da legislação”.

22h47 - “É extremante importante a edição da Lei da Ficha Limpa”, declara o ministro. “A probidade e a moralidade traduzem pautas de formação e composição de órgãos do Estado”.

22h43 - “É certo que a ordem jurídica não pode parecer indiferente a quem se apresente sem princípios éticos”, diz Celso.

22h39 - Celso diz que “nesse juízo preliminar, peço vênia para não admitir a questão referencial. Tenho um voto realmente longo, mas como já pude salientar, a desejável convergência entre ética e política nem sempre acontecem”.

22h34 - O ministro Celso de Melo inicia a leitura de seu voto.

22h32 - Marco Aurélio: “O caso aqui repercute sobremaneira no processo eleitoral, provocando um desequilíbrio na salutar disputa. Não tenho como menosprezar a mola-mestra de um Estado que se diga de Direito que é a retroatividade da lei”. O ministro vota com Toffoli e Gilmar Mendes contra a aplicação da Lei da Ficha Limpa nas eleições de 2010.

22h28 - “Eu não concebo que alguém inelegível esteja a exercer o mandato”, declara o ministro.

22h24 - “Se aplicarmos a esse ato concreto a inegibilidade, estaremos aqui diante de uma sanção. O termo se refere a renúncias futuras”, explica Marco Aurélio.

22h20 - Marco Aurélio menciona a redação do texto enviado da Câmara para o Senado: “Ela passou por uma alteração básica”. Fala da mudança do tempo verbal feita pelo senador Francisco Dornelles (PP-RJ). “Os que tenham sido excluídos para os que forem excluídos”, destaca. “A mudança foi substancial”.

22h15 - “O que se quer é que não haja mudança nesse campo tão sentido, que é a escolha dos representantes. Todos nós somos a favor da lisura e da probidade no âmbito administrativo. Eu não sei o que é pior: se é a corrupção ou o tráfico de drogas”, argumenta Marco Aurélio.

22h12 - “Temos uma regra que é muito driblada, que é a necessidade de o diploma ser registrado”, diz o ministro.

22h01 - Marco Aurélio: “Venho ressaltando já há algum tempo que vivemos tempos muito estranhos, com a inversão de valores, o dito pelo não dito. É nessas quadras que devemos ter um apego maior às franquias maiores”. Cita a retroatividade da lei como exemplo.

21h52 - “Não é crível, não é aceitável que qualquer juízo possa se apresentar de ofício. E o STF, ultrapassando o conhecimento do extraordinário, não possa se falar. Não conferindo se essa lei é constitucional ou inconstitucional”, diz o ministro.

21h49 - Recomeça a sessão. Peluso passa a palavra ao ministro Marco Aurélio. “Depois de dois dias, é difícil ser o oitavo a votar”, diz Marco Aurélio. Ele inicia eloginado o voto de Gilmar Mendes.

21h22 - “É completamente descabida a tese de que a condenação deferia a condenação do requerente. O ato de renúncia afronta princípios basilares da democracia”, afirma a ministra. “Considero completamente descabida a argumentação do princípio de violação de isonomia. Acompanho o colega Ayres Britto”, declara. Com o voto de


21h15 - Gracie: “Renúncia não configura ato de improbidade”. Ela analisa outros trechos da defesa de Joaquim Roriz.

21h02 - “Matéria nunca perdeu caráter constitucional”, argumenta Gracie.

20h56 - Ministra declara que a Lei da Ficha Limpa vale para estas eleições.

20h45 - Ellen Gracie discordou do argumento de Cezar Peluso, no qual ele questionou a aprovação da lei da Ficha Limpa no Congresso.

20h39 - Gilmar Mendes votou favoravelmente ao recurso de Joaquim Roriz: “O fato de ter-se que esperar um ano é uma segurança para todos. Faz parte de um processo civilizatório, precisa ser respeitado”. Placar do julgamento agora está 4 x 2. Começa a fala de Ellen Gracie.

20h29 - Não devemos ser ingênuos de acreditar que essas 2 milhões de assinaturas não tenham sido orientadas, comenta o mnistro. “Vamos continuar, ministro, senão não acabamos hoje”, diz Peluso.

20h22 - A história mostra que os totalitarismos se consolidam nesses fundamentos éticos. O Artigo 16 é uma ferramenta contra a minoria”, diz Mendes.

20h19 - Mendes: “Não se trata de proteção ou desproteção para as partes atingidas. Trata-se de um processo civilizatório. Não se pode fazer a lei alterando o processo eleitoral”.

20h09 - Os últimos ministros que devem votar na sessão, especialmente Cezar Peluso, Gilmar Mendes, Celso de Mello e Marco Aurélio Mello, já anteciparam críticas à constitucionalidade da lei. O placar, portanto, tende a mudar. Ellen Gracie, que ainda não votou, mantém a discrição. Alguns ministros contam que seu voto seja favorável à aplicação da Lei da Ficha Limpa.

20h01 - “Alteração de regras sobre inelegibilidade intefere o processo de escolha dos candidatos”, diz Mendes.

19h54 - Apesar da hora, a assessoria do tribunal confirma que o presidente manifestou interesse em terminar o julgamento hoje.

19h49 - Voto de Gilmar Mendes já dura quase uma hora.

19h40 - A tese do Gilmar Mendes é que o artigo 16 da Constituição é cláusula pétrea, e por isso não há discussão: todas as leis precisam completar um ano antes de entrar em vigor. Valeria, assim, também para a Ficha Limpa.

19h33 - Com a chegada da noite, aumentou o número de manifestantes do lado de fora do STF. Cerca de 300 – quase a unanimidade de rorizistas – estão reunidos, munidos com bandeiras azuis, e cantando “Roriz!”. Mais cedo, eles estavam cantando “Aqui tem um bando de louco, louco por ti, Roriz”. A música original é um grito de guerra do Corinthians.

19h19 - Ayres Britto interrompe o voto de Gilmar Mendes: “Há 16 anos estamos esperando pela alínea K, finalmente ela chegou”. Alínia K é a parte da Lei da Ficha Limpa que torna inelegíveis políticos que renunciaram aos cargos eletivos para não serem punidos.

19h16 - Gilmar Mendes afirma que ao discordar da aplicação da lei este ano, não está defendendo “ímprobos”, está apenas defendendo a Constituição.

19h07 - “Não se pode comparar a condição de parentesco com a da inelegibilidade inata”, debate Mendes com Lewandowski. Para Mendes, se lei de iniciativa popular escapar ao controle constitucional é melhor que se feche o STF.

19h04 - Gilmar Mendes é o sexto ministro a votar. Ele começou seu discurso afirmando que o fato de a Lei da Ficha Limpa ser de iniciativa popular não a torna inquestionável: “Muitas vezes tem de se contrariar aquilo que a opinião pública entende como salvação, muitas vezes para salvar a própria opinião pública”. “Se a iniciativa popular tornar inútil a nossa atividade, melhor fechar esse tribunal”.

18h55 - “A lei da Ficha Limpa presta inequívoca homenagem aos princípios da probidade administrativa e moralidade, que constituem, a meu ver, o próprio cerne do regime republicano”, vota Lewandowski confirmando placar 4 x 1.

18h46 - Já dura 50 minutos o voto de Lewandowski.

18h33 - Quando Lewandowski anunciar seu voto, o placar ficará 4×1 pela aplicação da lei. Dos demais cinco ministros que restam votar, a opinião mais esperada é de Ellen Gracie. Os demais ministros já sinalizaram ser contrários à aplicação da lei este ano.

18h29 - “Se fosse procedente a tese do recorrente, na prática nenhuma inelegibilidade aconteceria”, diz Lewandowski.

18h22 - Ricardo Lewandowski cita pensamento de Ayres Britto (“Candidato é aquele que veste roupa branca”), para concordar com o ministro-relator: a lei vale para este ano. Para o ministro, os novos critérios de elegibilidade visam a “proteção da coletividade”. O voto dele ainda não terminou

18h20 - Lewandowski: “Não há o rompimento das condições de igualdade de disputa entre os contendores”.

18h15 - “Não há qualquer inconstitucionalidade na Lei da Ficha Limpa”, afirma Lewandowski.

17h59 - Lewandowski está com a palavra. Como presidente do TSE ele já se posicionou pela validade da lei este ano, e votou pela impugnação da candidatura de Roriz.

17h54 - Barbosa vota com o relator: Roriz é ficha suja e lei vale para estas eleições. O placar fica em 3 x 1.

17h43 - Barbosa vai se posicionando contra o princípio da anualidade no caso da Lei da Ficha Lima: “Todos os candidatos já tinham ciência de quais seria as causas de inelegibilidade, inclusive as novas causas”.

17h42 - Joaquim Barbosa sofre de dores crônicas nas costas e não consegue ficar muito tempo sentado. No entanto, ele lê o voto neste momento sentado, com uma almofada no encosto. O ministro completa: “A própria democracia se vê diminuída e deslegitimada quando cidadãos ímprobos se tornam representantes do povo”.

17h34 - Barbosa: “Do voto de cabresto até chegarmos ao voto direito e universal, e daqui pouco o voto por identificação biométrica, percorremos um longo caminho, mas restam–nos ainda alguns trechos a percorrer. A Lei da Ficha Limpa significa mais um avanço nessa direção”.

17h30 - O intervalo de 20 minutos durou quase 50. Joaquim Barbosa pediu para votar antes do ministro Ricardo Lewandowski.

17h25 - Provavelmente esperando que o julgamento durasse a tarde toda, os manifestantes pró e contra Roriz começaram a chegar à Praça dos Três Poderes há pouco, os simpatizantes do ex-governador são maioria. Os pró-Ficha Limpa penduraram cartazes parabenizando o ministro-relator Carlos Ayres Britto.

16h41 - A sessão entrou em intervalo de 20 minutos. Voltará com o voto de Ricardo Levandowski, presidente do TSE, que é a favor da aplicação da lei nestas eleições.

16h18 - Cármem Lúcia acompanha o relator Ayres Britto e vota pela aplicação da Lei da Ficha Limpa nas eleições deste ano.

16h13 - A ministra continua: “Uma lei que traga aperfeiçoamento do processo eleitoral não devem se sujeitar ao princípio da anualidade”.

16h08 - Carmem Lúcia: “As inelegibilidades têm como projeto proteger a moralidade”.

15h55 - Carmem Lúcia está com a palavra. Ela é a favor da aplicação da lei ainda este ano, como já deixou claro em votação no TSE, onde também é ministra. “Novas hipóteses de inelegibilidade têm aplicação imediata porque não alteram o processo eleitoral”, diz.

Toffoli vota pela Lei da Ficha Limpa em 2012 e empata julgamento no STF

15h47 - Mais uma vez Toffoli pula algumas páginas para encurtar o voto e chega à conclusão: a Lei da Ficha Limpa só pode ser aplicada a partir das próximas eleições. O julgamento está empatado em 1 x 1.

15h43 - Para Toffoli, não há direito adquirido para se candidatar e a Lei da Ficha Limpa é constitucional. Porém, o ministro defende o princípio da anualidade. Ou seja: as leis só podem ser aplicadas um ano após sua sanção. A Lei da Ficha Limpa foi sancionada em junho deste ano.

15h40 - “Renunciar ao mandato não é o mesmo que ser considerado culpado com ou sem trânsito em julgado”, afirma Toffoli.

15h35 - Toffoli questiona: “Se o Congresso tivesse aprovado em maio deste ano a permissão para o presidente concorrer a um terceiro mandato, o STF permitiria?”.

15h28 - Antônio Dias Toffoli decide pular várias citações para encurtar seu voto. Antes, ele vinha dizendo que apesar de a Ficha Limpa ter forte apelo popular não significa que o STF precisa aceitá-la.

15h26 - Sessão no STF já dura uma hora. Toffoli prossegue em seu voto.

15h08 - Toffoli abaixa o tom de voz e se emociona ao lembrar que está sentado hoje na cadeira que era do ministro Menezes Direito, que morreu em setembro de 2009. O ministro começa agora a analisar o mérito da lei – se ela deve ser aplicada ou não este ano.

14h58 - Toffoli pondera que o STF pode questionar a constitucionalidade de qualquer lei (mesmo que não seja provocado), mas não concorda que a votação no Congresso tenha tornado a lei da Ficha Limpa inconstitucional.

14h49 - Toffoli começa a alinhar o voto com o entendimento de Cezar Peluso. Apesar de a Corte não ter sido questionada sobre os métodos de votação do Congresso, é dever de um ministro levantar a questão, afirma o ministro mais novo do STF.

14h44 - Pouco antes de Toffoli começar a falar, Ricardo Levandowski informou à Corte que o senador Demóstenes Torres (DEM-GO) enviou ofício a ele esclarecendo que as alterações feitas no projeto pelo Senado apenas corrigiram o texto gramaticalmente, não quiseram alterar o teor. Torres foi relator do projeto no Senado.

14h41 - Antônio Dias Toffoli começa a ler seu voto e sai em defesa de Cezar Peluso: “O recebimento dessas questões de ordem devem ser recebidas com o maior respeito, e não se falar em acrobacia”. Ontem, no meio da discussão travada entre os ministros, Ayres Britto disse que aquilo parecia “um salto triplo carpado hermenêutico”.

14h37 - Apesar de discordar da questão de ordem levantada por Peluso, Marco Aurélio é contra a lei da Ficha Limpa, como já anunciou em votação no TSE. Para o ministro, a lei não retroagir para atingir candidatos que foram condenados antes da sanção do projeto. “A lei merece aplausos, agora é claro que se paga um preço. O preço é o respeito às normas estabelecidas na Constituição”, disse há pouco.

14h31 - Marco Aurélio Mello, ministro do STF, pediu para fazer algumas considerações antes do voto de Toffoli. Ele defende que a Corte não deve discutir a questão levantada ontem por Cezar Peluso porque o recurso de Joaquim Roriz não faz menção a ela. Peluso defendeu ontem que o Congresso Nacional pulou etapas na aprovação do projeto, o que tornaria a lei inconstitucional.

14h29 - Apenas o ministro-relator, Carlos Ayres Britto, votou ontem, pela impugnação da candidatura de Roriz e a favor da validade da lei para este ano. O próximo a votar será Antônio Dias Toffoli, que pediu a interrupção do julgamento no início da noite.

14h23 - Interrompido ontem após avaliação do ministro Cezar Peluso de que a Lei da Ficha Limpa é inconstitucional, o julgamento do recurso de Joaquim Roriz (PSC) acaba de ser retomado no STF.

14h07 - O plenário está cheio de advogados e jornalistas como ontem. Do lado de fora, não há manifestantes.



Estadão com UOL

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Marco Rezende elogia iniciativa de Celso Gomes: santinho em braile


O Candidato a deputado federal Celso Gomes (PDT), lançou na terça-feira (21), às 16h, Dia Nacional de Luta das Pessoas com Deficiência, o satinho em braile (para deficientes visuais). O evento ocorreu no comitê Voto Limpo 1212, situado na Avenida Raimundo Cantuária, entre as ruas 12 e Guaporé. O candidato a deputado estadual Marco Rezende 12312 elogiou a iniciativa.

Quase nunca lembrada pelas classes políticas, a Associação dos Deficientes Visuais do Estado de Rondônia (Asdevron) se surpreendeu, com a iniciativa de um candidato a deputado federal em Rondônia.

Durante o evento, o jornalista e bacharel em Direito, Celso Gomes (PDTRO) irá oferecer um tratamento personalizado ao apresentar material de campanha utilizando o alfabeto Braile, método muito utilizado na comunicação entre cegos.

Com o método, estava escrito no seu cartão de visita o seu nome, número, como também os dados do candidato a governador da sua Coligação, e o seu slogan: “Justiça e Cidadania com Voto Limpo”.

“O objetivo é viabilizar a inclusão dessas pessoas no processo eleitoral e garantir a eles maior facilidade de acesso à cidadania. Um papel que todo candidato ou político deveria fazer”, explicou Celso Gomes ao dizer ainda que, como profissional da comunicação, não poderia deixar de usar essa linguagem para divulgar as suas idéias de campanha.

Na ocasião, o presidente da Asdevron, Carlos Cataca, acompanhado do vice, Alberto Magalhães, irão participar do evento juntamente com o candidato a governo Confúcio Moura e os candidatos a deputado estadual da coligação.

Pesquisa aponta crescimento de Confúcio para o governo de Rondônia

O candidato a governador de Rondônia Confúcio Moura, da coligação Aliança por uma Rondônia melhor para todos (PMDB, PDT, PRTB, DEM, PC do B), que tem como candidato a vice-governador Airton Gurgacz, com 30.05% na consulta estimulada, lidera pesquisa de intenção de voto realizada pela Previsão Tecnologia da Informação – período de 7 a 12 deste mês de setembro em 25 municípios – que foi contratada pelo Sindicato da Micro e Pequena Indústria do Estado de Rondônia (Simpi). João Cahulla (PPS) aparece em segundo com 26.12%; Expedito Junior (PSDB) vem em seguida com 23.68%, enquanto que Eduardo Valverde (PT) aparece com 10.04% e Marcos Sussuarana (Psol) surge com 0.68%. Branco e nulo 1.15% e não sabe ou não opinou 8.28%. A pesquisa está registrada no Tribunal Regional Eleitoral de Rondônia sob o nº 25.921 2010.


O presidente do Simpi, Leonardo Heuler Calmon, falou que “é o início de uma parceria entre o Simpi e a Previsão. É o primeiro trabalho que serve para que os pequenos empresários tenham dados confiáveis, pois estamos seguindo os mesmos passos da CNI Sensus e transportes”. Ele comentou ainda que os membros do segmento econômico precisam de informação de qualidade, com segurança e confiabilidade. Leonardo Calmon disse que “os números são frios, mas a pesquisa segue uma metodologia científica e demonstra a vontade do eleitor. Não há o que mudar”.

A consulta de intenção de voto, conforme esclarecimento da Previsão, teve como objetivo identificar as preferências dos eleitores de Rondônia e usou a metodologia por amostragem estratificada por sexo e idade com sorteio aleatório dos entrevistados. Foram realizadas 1474 entrevistas de pessoas com idade superior a 16 anos. A amostra foi dividida proporcionalmente ao número de habitantes de cada uma das zonas administrativas das cidades, valendo-se do censo do IBGE/2007. A margem de erro é de 2,5% para mais ou para menos, com grau de confiabilidade de 95%.


Confúcio Moura, segundo a amostragem da consulta espontânea, também aparece em primeiro lugar com 22.32%; João Cahulla aparece em segundo com 20.01%; Expedito Junior vem em seguida com 15.26%; Eduardo Valverde com 7.53% e Marcos Sussuarana com 0.20%. Branco ou nulo é de 1.56%. Não sabe ou não opinou 33.11%. A pergunta feita foi: Se as eleições fossem hoje, em quem o Sr. (a) votaria para governador?

Por outro lado, a pesquisa aponta que o candidato Marcos Sussuarana é quem tem a maior rejeição, enquanto que Confúcio Moura aparece com a menor rejeição. A pergunta feita foi a seguinte: E dos mesmos candidatos, em qual o Sr. (a) não votaria de jeito nenhum para governador? Os dados obtidos apontam Marcos Sussuarana com 18.39%; Expedito Junior com 15.47%; João Cahulla com 8.68%; Eduardo Valverde com 5.97% e Confúcio Moura com 5.02%. Branco e nulo é de 2.71% e não sabe ou não opinou é de 43.76%.

Segundo turno

Num eventual segundo turno, Confúcio Moura venceria Eduardo Valverde por 53.19% a 21.23% das intenções de voto. Confúcio venceria Expedito por 47.49% a 33.24%; assim como venceria Cahulla por 43.15% a 36.09%. Por outro lado, Expedito venceria a disputa contra Valverde por 46.13% a 27.34%; Cahulla venceria Valverde por 48.71% a 24.69%; Valverde venceria Sussuarana por 44.84% a 7.73%; Cahulla venceria Expedito por 40.71% a 35.28%; Expedito venceria Sussuarana por 52.31% a 12.14%, e Cahulla venceria Sussuarana por 55.77% a 8.41%.


Senado

A consulta quis saber sobre a intenção do segundo voto para o cargo de senador e a resposta aponta Valdir Raupp teria 33.18%; Ivo Cassol teria 17.44%; Fátima Cleide teria 14.45%; Agnaldo Muniz teria 6.45%; Melki Donadon teria 6.38% e Aloizio Vidal teria 4.82%. Branco ou nulo seria 2.65% e não sabe ou não opinou seria 14.65%.


Presidente

A pesquisa aponta que os rondonienses têm preferência pela petista Dilma Rousseff. Ela teria 45.32% contra 35.14% de José Serra (PSDB) e 9.77% de Marina Silva (PV). Não sabe ou não opinaram 8.75%; branco e nulo 0.61 e outros 0.41

Fonte: Diáriodaaamazônia

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Marco Rezende, eleito deputado estadual, ajudará Confúcio, governador, na Assembleia



Marco Rezende, advogado do programa Plantão de Polícia, disse nesta quarta-feira que, eleito deputado estadual no próximo dia 3 de outubro, ajudará o governador Confúcio Moura, na Assembleia Legislativa do Estado.

- Confúcio tem bons projetos para Rondônia, mas para executá-los, precisará de uma base política na Assembléia, para implementar as mudanças que vão melhorar a vida dos cidadãos que vivem nesta terra, disse Marco Rezende.

- Eu, com o voto do povo de Rondônia, vou ajudar na execução dos mais diversos projetos de Confúcio. Para que isso seja possível, estou pedindo o voto do povo de Rondônia. Eu quero ser o deputado estadual que vai ajudar Confúcio e seu programa de governo – pediu, lembrando que concorre a uma vaga na Assembleia com o número 12312.

Dalton Di Franco, que apóia Marco Rezende, disse que o “governador Confúcio precisará de aliados para administrar Rondônia. Marco Rezende está preparado para contribuir com o apoio que Confúcio precisa”, asseverou.

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Dalton Di Franco pede a telespectadores e amigos do Plantão de Polícia que votem em Marco Rezende para deputado estadual





O jornalista Dalton Di Franco que a 40 anos comanda a maior prestação de serviços pelo rádio e televisão no Estado de Rondônia, ajudando a centenas de famílias com campanhas humanitárias, além de representar um grito de justiça em defesa dos menos favorecidos, fez hoje um apelo aos que o acompanham nessa jornada, para que votem no candidato Marco Rezende 12312, para deputado estadual. “Ele é o advogado do Plantão de Polícia, cidadão ficha limpa e preparado para continuar nos ajudando. Como deputado estadual ele poderá fazer muito mais. Eu preciso dele como nosso representante na Assembleia Legislativa”, afirmou Dalton.

Segundo Dalton Di Franco, Marco Rezende tem um trabalho junto ao Plantão de Polícia, de orientação jurídica importantíssima, e de socorro médico aos doentes e necessitados, através de uma associação de beneficência. “Mas a gente precisa ampliar essa assistência, desenvolvendo políticas públicas para beneficiar nossas crianças e nossos jovens”, afirmou Dalton Di Franco. “Precisamos implantar a escola em tempo integral. Já temos o apoio de nosso futuro governador Confúcio Moura. Isso vai transformar a vida de nossos jovens. Em breve não precisaremos construir cadeias”, acredita o líder de audiência da TV no Estado.

Marco Rezende tem ainda, segundo Dalton Di Franco, compromisso em trabalhar por projetos na área do esporte, da cultura e do lazer. “Ele será a nossa voz na Assembleia por melhorias nas áreas da educação, saúde, segurança e geração de emprego e renda”.

Dalton Di Franco sonha implantar em Porto Velho uma escola de informática itinerante para atender as crianças que não tem como sair de seus bairros. O projeto está pronto. Depende apenas da eleição de Marco Rezende.

VOTEM 12312

Segundo Dalton Di Franco, para eleger Marco Rezende deputado estadual é simples: é só levar a cola e na hora do voto teclar o número 12312. Aparecendo a foto do Marco Rezende, é só confirmar, apertando na tecla verde. “Com Marco Rezende eleito deputado estadual (a mesma que aparece nessa matéria), estaremos mudando a história da política em Rondônia. Podem crer e votar. Eu voto e indico”, finalizou.


LEIA, NA ÍNTEGRA, A CARTA DE DALTON DI FRANCO

Meus amigos!

Vocês já me conhecem. Sou Dalton Di Franco, do Plantão de Polícia, da Redetv! Sou filho de Rondônia e tenho mais de 40 anos atuando na imprensa do Estado. Tenho feito a maior prestação de serviços pelo rádio e televisão, ajudando a centenas de famílias com campanhas humanitárias, além de gritar por justiça em defesa dos menos favorecidos.

Hoje, eu quero fazer um apelo!

Em nome da seriedade do nosso trabalho e dessa convivência de muitos anos, quero pedir que vocês votem em Marco Rezende 12312, para deputado estadual. Ele é o advogado do Plantão de Polícia, cidadão ficha limpa e preparado para continuar nos ajudando. Como deputado estadual ele poderá fazer muito mais. Eu preciso dele para ser o nosso representante na Assembleia Legislativa.

Afirmo com certeza que Marco Rezende tem um importante trabalho junto ao Plantão de Polícia, com orientação jurídica e de socorro médico aos doentes e necessitados, através da AMAR, associação de beneficência Marco Rezende. É um trabalho importante que pode ser ampliado para todo o Estado, mas que depende da ação política de um deputado estadual para desenvolver políticas públicas para beneficiar nossas crianças e nossos jovens.

Precisamos implantar a escola em tempo integral. Já temos o apoio de nosso futuro governador Confúcio Moura. Isso vai transformar a vida de nossos jovens. Em breve não precisaremos construir cadeias.

Marco Rezende tem compromisso em trabalhar por projetos na área do esporte, da cultura e do lazer. Ele será a nossa voz na Assembleia por melhorias nas áreas da educação, saúde, segurança e geração de emprego e renda.

Eu que sou de origem humilde, tenho comigo o sonho de implantar em Porto Velho uma escola de informática itinerante para atender as crianças que não tem como sair de seus bairros. O projeto está pronto. Depende apenas da eleição de Marco Rezende.

Nesta reta final de campanha, quero agradecer a todos os amigos que nos receberam em casa, no trabalho, nas ruas e nas escolas. Creio que fizemos nossa parte. Já plantamos a semente do bem!

Chegando a hora da decisão, peço a todos que votem em Marco Rezende para deputado estadual. É simples votar: é só levar a cola com o número dele e na hora do voto teclar 12312. Aparecendo a foto do Marco Rezende, é só confirmar, apertando a tecla verde. Com Marco Rezende eleito deputado estadual, estaremos mudando a história da política em Rondônia. Podem crer e votar. Eu voto e indico.

Grato
Dalton Di Franco
O amigo de sempre, dos últimos 40 anos!

ACIR ALERTA PARA A ELEIÇÃO DE BONS CANDIDATOS E INDICA NOMES



O senador Acir Gurgacaz, do PDT, fez um apelo em Porto Velho ao eleitor de Rondônia para escolher bem aqueles que vão representá-lo a partir do próximo ano. Acir indica Marco Rezende 12312, para deputado estadual; Roberto Kupê, para deputado federal; Raupp 1515 e Fátima 133, para senador; Confucio 15 , para governador e Dilma 13, para presidente.

- Eu vou continuar trabalhando em Brasília para ajudar a melhorar nosso Estado e a vida de nosso povo. O meu mandato de senador é do povo. E com esses companheiros que estamos indicando, eleitos, poderemos fazer muito mais - afirmou o Senador Acir.

Ciclistas apóiam Marco Rezende para deputado estadual


Amantes do ciclismo reunidos domingo passado no Restaurante Tarumã, em Porto Velho, manifestaram apoio ao candidato a deputado estadual Marco Rezende 12312.
Os ciclistas haviam participado de uma prova e se reuniram no local para comemorar o cumprimento da maratona e avaliar o futuro dessa prática esportiva.
O jornalista Dalton Di Franco e o candidato Marco Rezende participaram do encontro sendo aplaudidos por todos. “Precisamos de políticas públicas para incentivar os jovens a terem um futuro promissor”, disse um dos ciclistas.
Marco Rezende falou de suas propostas e assumiu o compromisso de ser também a voz dos ciclistas na Assembléia Legislativa.
- O Poder público deve disponibilizar meios para que nossos jovens sejam preparados para serem cidadãos brasileiros, disse Marco Rezende.
Os ciclistas presentes ao encontro disseram que vão votar em Marco Rezende 12312 para deputado estadual. “Vamos ser também seu cabo-eleitoral”, acrescentou outro ciclista.

sábado, 18 de setembro de 2010

Campanha de Marco Rezende 12312 ganha as ruas e conquista adesão de eleitores







A campanha do candidato Marco Rezende 12312 para deputado estadual está ganhando as ruas. O crescimento de seu nome junto ao eleitorado é resultado da necessidade de mudanças que o povo quer e de idéias novas que ele defende para o parlamento.

Marco Rezende tem percorrido as cidades de Porto Velho, Candeias, Ariquemes, Nova Mamoré e Guajará-Mirim, onde é benquisto por seu trabalho desenvolvido no programa Plantão de Polícia, na Redetv! junto com o jornalista Dalton Di Franco.

Na semana passada, Marco Rezende e Dalton Di Franco receberam o apoio de dezenas de eleitores e realizaram uma carreata na Capital, percorrendo bairros como Agenor de Carvalho, Nova Porto Velho, Cuniã, Tancredo Neves, JK I, II e III, São Francisco, Jardim Santana, Ayrton Senna, Marco Freire, Ulysses Guimarães.

Durante a carreata, Marco Rezende recebeu manifestações de apoio de eleitores que já conhecem seu trabalho.

Em algumas ocasiões, ele e Dalton pararam para conversar com as pessoas.

- Ao contrário de outros candidatos, a eleição para nós é o momento de colheita. Já temos plantado a semente do bem ao longo de muitos anos de trabalho. O povo já nos conhece e sabe que ao invés de prometer, nós realizamos, afirmou Dalton Di Franco.

Para o mais respeitado comunicador de Rondônia, Marco Rezende 12312 é o representante que todos nós precisamos. Ele é o do povo e vai trabalhar pelo povo, fazendo do seu mandato uma conquista para o povo que precisa de melhorias na saúde, na segurança, na educação, na segurança, entre outras áreas prioritárias – frisou Dalton Di Franco.

Veja as imagens da carreata de sucesso de Marco Rezende 12312, realizada em Porto Velho.

MUDANÇAS

Dalton Di Franco tem afirmado em todos os encontros com eleitores que o momento é de mudanças. "Ou aproveitamos o momento para tirar os pilantras que estão no poder ou eles vão continuar roubando, massacrando e enganando a todos nós. Votando em gente de bem, vamos ter novos tempo. Marco Rezende 12312 é gente de bem, com relevantes serviços prestados. Ele não chega de mãos vazias".

Para mudar o jeito de fazer política, MARCO REZENDE 12312 é o candidato certo para deputado estadual.

QUE É MARCO REZENDE

Marco Rezende é especialista em direito penal, com notória atuação no Plantão de Polícia, da Redetv!, com o jornalista Dalton Di Franco. Ele surge no cenário político de Rondônia com uma nova liderança.

Candidato a deputado estadual pelo PDT, Marco Rezende já esteve reunido com moradores de bairros da Capital e nas cidades de Ariquemes, Itapuã do Oeste e de Guajará-Mirim, quando recebeu o apoio de eleitores, ansiosos por mudanças e por realizações.

Na Capital, Marco Rezende participou de reuniões nos bairros Planalto, Lagoa, Nova Esperança, Pedacinho de Chão, Liberdade, Flodoaldo Pontes Pinto, Triângulo e na zona Leste.

Em todas as ocasiões, Dalton Di Franco abre as reuniões, explicando a razão de estar apoiando Marco Rezende. “Ele é cidadão ficha limpa, preparado para bem representar o povo de Rondônia. Todos já o conhecem pelo trabalho desenvolvido no Plantão de Polícia”.

Marco Rezende fala de sua proposta de trabalho para a Assembléia Legislativa, acrescentando que lutará pela implantação da escola-integral em Rondônia. “A escola não pode ficar vazia após a hora da aula. Precisamos ocupar o espaço, oferecendo, esporte, lazer, cursos, enfim, preparando nossos jovens”, disse o candidato Marco Rezende.

GUAJARÁ-MIRIM

Recentemente, Marco Rezende e Dalton Di Franco estiveram em Guajará-Mirim, participando da maior expressão cultural da cidade, o Duelo da Fronteira. Eles ainda estiveram reunidos na praça central, com moradores, taxistas, mototaxistas, e nos bairros Tamandaré, 10 de abril e serraria, além de visitar unidades da saúde indígenas.

Maria de Jesus faz dobradinha com Marco Rezende em Guajará-Mirim



A candidata a deputada federal pelo PDT em Guajará-Mirim, Maria de Jesus 1233, e o candidato a deputado estadual Marco Rezende 12312, vão trabalhar juntos, conforme acertaram neste final de semana, durante encontro na sede do partido em Porto Velho.

Maria de Jesus que já exerceu cargos na prefeitura local, é de família tradicional, com relevantes serviços prestados ao município de Guajará-Mirim.

Ela é um dos nomes fortes do PDT, com chance para ser eleita deputada federal, conforme pesquisas realizadas junto ao eleitorado, afirmou Marco Rezende.

Durante entrevista na Capital, Maria de Jesus afirmou que já conhecia Marco Rezende através do programa Plantão de Polícia.

Na área da política, segundo Maria de Jesus, ela e Marco Rezende pensam iguais. “Temos um mesmo projeto para o Estado de Rondônia, de valorizar o que é nosso”, acrescentou.

Como parte da dobradinha que formaram, Maria de Jesus participou de reuniões de Marco Rezende, em Porto Velho, com eleitores nos bairros São Cristóvão e Flodoaldo Pontes Pinto.

“Eu vou também ajudar Marco Rezende em minha base eleitoral, que é Guajará-Mirim”, afirmou.

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

MARCO REZENDE PARTICIPA DO DIA DO BEM!




O candidato a deputado estadual Marco Rezende participou sábado passado do Dia do Bem, realizado pelo SGC, através da Redetv Rondônia. Ele parabenizou o diretor-geral do SGC, Sérgio Demomi, por mobilizar a sociedade em prol do bem.

- Esse trabalho de ajudar o próximo faz parte da filosofia das organizações de sucesso. É a chamada responsabilidade social, afirmou Marco Rezende.

O Dia do Bem foi realizado pelo quinto ano consecutivo. Em Porto Velho, já são cinco anos; três em Ji-Paraná e dois em Ariquemes.

DALTON DI FRANCO COMEMORA 32 DE PROFISSÃO




No mesmo dia em que o jornal Diário da Amazônia completa 17 anos, o jornalista Dalton Di Franco comemora 32 anos de atuação na imprensa de Rondônia.

“Tudo começou no ano de 1978, quando foi inaugurada a rádio Eldorado. “Eu estava iniciando minha carreira profissional na imprensa”, recorda Dalton Di Franco.

Antes disso ele havia trabalhado aos 12 anos de idade no extinto jornal O COMBATE, do falecido jornalista Inácio Mendes.

- Cheguei ao rádio no dia 13 de setembro de 1978 pelas mãos de Zinaldo Fernandes, meu professor no Colégio Rio Branco, o qual me apresentou a Ivan Gonzaga, recorda.

Depois, por problemas de saúde, sai da Eldorado. Um ano depois pelas mãos do mesmo Ivan Gonzaga, fui para a Rádio Caiari. Luiz Rivoiro, de saudosa mémoria, foi meu mentor.

Pelas mãos de Rivoiro, fui transformado no que sou hoje, afirma Dalton Di Franco, que além do rádio e TV, tem atuado na imprensa escrita. Hoje é membro do jornal Diário da Amazônia.

Com notória atuação na televisão, Dalton Di Franco há cinco anos foi contratado pela Redetv, pelas mãos de Sérgio Demomi. No SGC, Dalton comanda a maior audiencia da televisão em Rondônia.

Na foto, quando Dalton Di Franco fazia o cerimonial do aniversário do Diário da Amazônia, e na outra, quando ouvia Sérgio Demomi, discursar, falando do crescimento do SGC e do sucesso do Dia do Bem!, realizado no dia 11 passado.

MARCO REZENDE PARTICIPA DAS COMEMORAÇÕES DE 17 ANOS DO DIARIO DA AMAZÔNIA



Convidado pelo senador da República Acir Gurcacz, o candidato a deputado estadual Marco Rezende participou na manhã desta segunda-feira 13 do culto ecumênico pelos 17 anos do jornal Diário da Amazônia.

Na foto, Marco Rezende está com o senador Acir Gurcacaz, o jornalista Dalton Di Franco, da Redetv! e o candidato a deputado federal Roberto Kupê.

O Diário da Amazônia faz parte do SGC, Sistema Gurcacz de Comunicação, que tem Sérgio Demomi como diretor-geral.

"A sociedade está de parabens por ter um jornal que tem imparcialidade, verdade e transparência", afirmou Marco Rezende que ainda participou do coquetel, servido na oficina do jornal.

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Dalton Di Franco alerta eleitor sobre os candidatos que só sabem dizer que sao fichas limpas


Tem muito candidato se ufanando de ser ficha Lima. Mas isso não é tudo. Ser ficha limpa, dever ser uma regra. Não uma exceção. A opinião é do jornalista Dalton Di Franco, condenando a exarcebação de políticos que tentam enganar o eleitor com o discurso vazio de ser ficha limpa.

Segundo Dalton Di Franco “ser apenas ficha limpa não basta. É preciso que o candidato já tenha alguma coisa realizada pela comunidade. Apresentar-se de mãos vazias, não é legal”.

Conforme Dalton Di Franco, “é preciso que o candidato a qualquer cargo eletivo tenha um passado e um presente, para então nos garantir um futuro”. Ele lembrou que Jesus nos ensina que conheceremos a arvore pelos frutos. No caso dos politicos, pelo que eles já realizaram.

Ser apenas ficha limpa, como se fosse algo de outro mundo, é papo furado. Isso leva aos candidatos ditos fichas limpas a prometer apenas. “E isso é temerário”, observou.

Como ex-vereador, ex-deputado estadual e militando na imprensa há cerca de 40 anos, Dalton conhece uma cambada desses candidatos que estão aparecendo agora querendo colher na seara alheia. “Eles deveriam estar na cadeia, não pedindo voto”. Para combater esses malfazejos, Dalton Di Franco trabalha pela eleição de MARCO REZENDE, para deputado estadual. “Ele, sim, é ficha limpa e tem serviços prestados. Eu voto e indico para os amigos”, encerrou.

Profissionais da cultura manifestam apoio à candidatura de Marco Rezende.





Profissionais que trabalham com a cultura, música e artes em Porto Velho, estiveram reunidos na casa de Carlinhos Maracanã, no conjunto 4 de Janeiro, quando manifestaram apoio ao candidato a deputado estadual Marco Rezende 12312, o advogado do Programa Plantão de Polícia.

No encontro, os participantes ouviram as propostas de Marco Rezende para os setores da cultura, música e lazer, e apresentaram outras sugestões para valorizar os profissionais que trabalham nessas áreas.

“Precisamos ter um deputado estadual identificado com a nossa causa. Marco Rezende é o nome certo e por isso tem nosso apoio integral”, afirmou Carlinhos Maracanã.

Dalton Di Franco que estava presente, foi lembrado por seu trabalho com o programa Sábado Total, um dos poucos do ramo, a prestigiar na TV o trabalho dos profissionais da cultura, música e artes.

O apresentador agradeceu pela citação de seu nome e pediu o empenho de todos para eleger Marco Rezende, que tanto serviço tem prestado à comunidade através do programa Plantão de Polícia. “Ele até ganhou o apelido de o advogado do povo, pela defesa dos que precisam de Justiça”, acrescentou Dalton Di Franco.

Conforme Dalton Di Franco “o candidato ter ficha limpa não é tudo. É um dever. Ele precisa ser limpo, mas precisa também ter serviços prestados. Candidato que nunca fez alguma coisa antes pela comunidade não pode ser eleito agora”, frisou Dalton. “Marco Rezende é ficha limpa e com relevantes serviços em defesa do povo”, finalizou Dalton Di Franco.

Estavam presentes à reunião com Marco Rezende e Dalton Di Franco, a professora Cristina Maracanã, que é artista plástica e consultora; Sonia Maria, radialista; Neuza Meireles, produtora de rádio e TV; cantores e artistas que militam na Capital.

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

DALTON DI FRANCO DIZ QUE MARCO REZENDE MUDARÁ A HISTÓRIA DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DE RONDÔNIA





Marco Rezende será um marco na Assembleia Legislativa de Rondônia. Eleito deputado estadual no próximo dia 3 de outubro, com o número 12312, ele desenvolverá um trabalho de revitalização do Poder Legislativo. A afirmação foi feita pelo jornalista Dalton Di Franco durante encontro com eleitores na Capital.

Segundo Dalton Di Franco, ninguém mais lembrará das cenas em que a PF prendeu deputados, acusados de corrupção. Marco Rezende será a redenção da política de Rondônia. "Precisamos de lideranças, não de maus exemplos", frisou.


Empenhado pessoalmente na campanha, Dalton Di Franco tem percorrido bairros e municípios de Rondônia fazendo o que ele chama de Grande Cruzada da Moralidade.

Conforme Dalton Di Franco, "A Justiça eleitoral já tem barrado vários candidatos fichas sujas, mas o eleitor poderá expurgar de vez esses malfeitores da vida pública. Votando em gente boa como Marco Rezende, estaremos deixando de lado aqueles que sempre nos envergonharam e nos massacraram", acrescentou.

Com o apoio de Dalton Di Franco, a campanha de Marco Rezende está crescendo a cada dia, alcançando todas as pessoas e famílias de bem de Rondônia.

Os dois já realizaram reuniões em Candeias, Itapuã, Ariquemes, Nova Mamoré e Guajará-Mirim, além da Capital, a base eleitoral do candidato que ganhou notoriedade como advogado do programa Plantão de Polícia.

Grupo Gay de Rondônia apóia candidatura de Marco Rezende



Niédina Gontijo, presidente do GGR, o Grupo Gay de Rondônia, anunciou o apoio da entidade ao candidato a deputado estadual Marco Rezende. Segundo ela, o “Movimento LGBT e o Grupo Gay de Rondônia decidiu apoiar e votar em Marco Rezende para deputado estadual, por ele ser novo na política e por ele ter propostas que são as mesmas defendidas pelo movimento”.

Conforme Niédna, “a sociedade não pode discriminar o movimento LGBT em Rondônia. Somos brasileiros e temos direitos assegurados pela Constituição Federal. O candidato Marco Rezende, como operador do Direito, sabe disso e recentemente lançou um manifesto em apoio à nossa causa. Agora estamos retribuindo, na certeza de que ele será a voz de todos nós, na Assembléia Legislativa”.

Ao tornar público o apoio do GGR a Marco Rezende, Niédna pede a todos os integrantes e simpatizantes do movimento LGBT que apóiem a candidatura e votem maciçamente no candidato que também tem o apoio integral do jornalista Dalton Di Franco, apresentador dos programas Plantão de Polícia e Sábado Total. Dalton é incentivador e apoiador de todos os movimentos sociais.

Agradecendo o apoio do Grupo Gay de Rondônia, Marco Rezende disse que a sua campanha agrega os mais diversos segmentos sociais e religiosos do Estado. “Temos o apoio de pastores, líderes comunitários e presidentes de entidades classistas”, disse, afirmando que, como deputado estadual, atuará em defesa de todos, sem discriminação.

Para Marco Rezende, “confrontando as Escrituras, os Direitos Humanos e, principalmente, o bom senso, entendemos a necessidade de se criar meios de evitarmos a exclusão desses irmãos da comunidade LGBT. Eles já sofrem demais pela marginalização que a sociedade os impõem, sofrerem ainda mais com a intolerância e a segregação que é demais para qualquer ser humano”.

Finalizando, Marco Rezende disse que “toda e qualquer forma de discriminação é abominável”. Ele prometeu combater com veemência qualquer discriminação. “O que eu puder fazer para a inclusão dos discriminados lançarei mão, sejam eles quem forem. Eu os apóio, contem comigo! afinal, eu não sou Deus. Eu sou Marco Rezende, deputado do povo de Rondônia”.

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

LUCIMAR, A MULHER QUE COMOVEU OS TELESPECTADORES DO PLANTÃO DE POLÍCIA



A dona de casa Lucimar Ferreira, na foto com Dalton Di Franco, Marco Rezende e José Missionário, protagonizou recentemente uma reportagem que comoveu os telespectadores do programa Plantão de Polícia.

Mãe de cinco filhos e residente na localidade de Belmont, no baixo Madeira, ela nasceu com um problema grave na arcada dentária. Sem recursos, ela foi levada por amigos ao programa do jornalista Dalton Di Franco. José Missionário era um deles.

Com a exibição de seus dentes que cresceram para o lado de fora da boca, prejudicando a mastigação e o sorriso, ela ganhou o apoio do odontólogo Bruno, da CLION, que interessou pela causa.

Lucimar passou por exames e avaliações. "O tratamento total não ficará por menos de R$ 25 mil, mas nós faremos tudo gratuitamente", informou o profissional, um dos mais renomados da área de odontologia da Capital.

Lucimar iniciou o tratamento e recente esteve no programa para agradecer aos profissionais da CLION e ao próprio Dalton Di Franco. "Sem vocês eu estaria até perdendo a vontade de viver", afirmou.

Marco Rezende que como advogado do Plantão de Polícia, acompanhou tudo, afirmou que Lucimar é um exemplo de muitos brasileiros que precisam ser atendidos pelo Poder Público.

"Na Assembleia Legislativa, vamos trabalhar para que isso seja possível. Como deputado estadual, vou estar empenhado ao lado de Dalton Di Franco para tornar outras pessoas felizes também".

No final de semana, Lucimar recebeu em sua casa a visita de Dalton Di Franco, de Marco Rezende e de José Missionário. Ela fez questão de registrar o momento, com uma foto e anunciou que em Belmont ela agora é quem vai pedir por Marco Rezende.

"Se Dalton Di Franco está com ele, nós também estamos com Marco Rezende", proclamou.


O candidato a deputado estadual Marco Rezende com o jornalista Dalton Di Franco e o José Missionário quando conversavam com seo Antônio Graves e familia, que residem em Belmont há cerca de 50 anos.

A familia conhece bem a região e acompanha Dalton Di Franco desde os tempos do rádio. Graves também ja conhece Marco Rezende através do programa Plantão de Polícia. "Ele é gente do bem", afirmou.

Na região do Belmont, as famílias sobrevivem da pesca e da agricultura. os moradores precisam de um posto de saúde, estradas e escolas para seus filhos.

O local poderia ser um ponto turistico da Capital, sugere Marco Rezende que trabalhará na Assembléia Legislativa para que os moradores de Belmont sejam lembrados antes, durante e depois da eleição. "Vamos mudar isso", afirmou.

MARCO REZENDE FAZ CAMPANHA NA BALSA




O candidato a deputado estadual Marco Rezende 12312 fez campanha na balsa que faz a travessia do Rio Madeira, pedindo votos para ser a voz do povo na Assembleia Legislativa como tem sido ao lado de Dalton Di Franco, no programa Plantão de Polícia, na Redetv!

Carismático e popular, Marco era abordado pelas pessoas, todas interessadas em adquirir o seu número para votar certo no dia da eleição, 3 de outubro próximo. Ele estava acompanhado do jornalista Dalton Di Franco.

- Nós precisamos de pessoas do povo para ser a voz do povo. Colocar um pilantra na Assembleia ele só vai fazer pilantragem. Eleger um ladrão, corremos o risco de sermos roubados. Vamos eleger Marco Rezende. Ele é gente do povo e vai nos representar bem - conclamou Dalton Di Franco.

Moradores do bairro Triângulo também estão com Marco Rezende para deputado estadual





Moradores do bairro Triângulo, um dos mais antigos da Capital, manifestaram apoio à candidatura de Marco Rezende, o advogado do Plantão de Polícia, ao cargo de deputado estadual.

Na reunião realizada na casa da moradora Ceni, uma das simpatizantes e apoiadoras do candidato no bairro, os moradores pediram a Marco Rezende que lute na Assembleia Legislativa por melhorias no bairro.

O jornalista Dalton Di Franco participou do encontro, lembrando que um bom candidato precisa ter ficha limpa e ter identificação com as causas do povo.
“Marco Rezende tem tudo isso e muito mais: Ele é preparado para ser a voz do povo na Assembleia Legislativa”.

No final do encontro, os moradores afirmaram que estão com Marco Rezende por tudo o que ele já fez ao lado de Dalton Di Franco e pelo que ele ainda fará como deputado estadual.

terça-feira, 7 de setembro de 2010

Eleitor de Porto Velho adere à campanha de Marco Rezende, deputado estadual






A campanha do candidato a deputado estadual Marco Rezende está ganhando as ruas de Porto Velho. O povo, carente de politicos de compromisso, está aderindo ao nome do advogado do Plantão de Polícia, que representa o novo na política de Rondônia.

Segundo Dalton Di Franco, Marco Rezende já mostrou que tem compromisso ao ajudar o povo no Plantão de Polícia. "Precisamos dele na Assembleia Legislativa".

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

JI-PARANÁ ESTÁ ENTRE AS CIDADES DE MAIOR FORÇA DO BRASIL, DESTACA MARCO REZENDE


O candidato a deputado estadual Marco Rezende congratulou-se com a população de Ji-Paraná pela matéria de VEJA que chegou às bancas na semana passada destacando a cidade de Ji-paraná, em Rondônia, na reportagem especial A Força das Cidades Médias. Na foto, com o jornalista Dalton Di Franco, da Redetv!, conversando com eleitores, Marco Rezende disse que Rondônia precisa de um choque de organização, em que os recursos públicos sejam aplicados efetivamente para beneficiar o povo, com escolas, hospitais, segurança e infra-estrutura, dando dignidade a todos.

Marco Rezende cita que a reportagem ressalta o desenvolvimento econômico de Ji-paraná, “passagem obrigatória para quem cruza Rondônia rumo a Mato Grosso”. A revista afirma que, por isso, “Ji-paraná era uma candidata natural a receber as indústrias e empresas que migravam para as franjas da Amazônia, nos anos 80. Desde então, sua teia empresarial vem se intensificando. Hoje, fornece serviços a treze municípios , cujos habitantes freqüentam suas faculdades, restaurantes, a boate e o cinema”.

De acordo com a Veja, no ano passado, o número de empresas em funcionamento na cidade dobrou. “Um dos setores mais atrativos é o da saúde. Especialmente rentável, ele se expande de forma acelerada há uma década”, diz a revista, que elogia a cidade de Ji-paraná: “limpa, pavimentada e iluminada...”Mas adverte : “O desafio de Ji-paraná é evitar armadilhas que arruínam a qualidade de vida nas capitais, Desde 2005, a frota de veículos do município aumentou quase 70%. Resultado: no meio da floresta, seus habitantes sofrem com congestionamentos”.

A revista informa ainda que Ji-paraná tem 111 mil habitantes, R$ 1,12 bilhão de produto interno bruto, R$ 10.400 de renda per capita anual, 4% de crescimento econômico anual. Motores da economia: serviços e pecuária. Perspectiva: aumentar o alcance do seu setor de serviços na região.

MARCO REZENDE

O candidato Marco Rezende 12312 disse que, eleito deputado estadual, trabalhará pelo fortalecimento das demais cidades. "Ji-paraná um exemplo do que pode ser feito com seriedade, responsabilidade e planejamento. O povo precisa ter orgulho de Rondônia. Eu e o governador Confúcio Moura vamos trabalhar para isso", afirmou o candidato pedindo o voto da população. "Eu quero ser o seu deputado estadual. Vote 12312, eu vou trabalhar pelo fortalecimento sócio-econômico e politico de Rondônia"

domingo, 5 de setembro de 2010

Dalton Di Franco pede votos para eleger Marco Rezende, o advogado do Plantão de Polícia



O jornalista Dalton Di Franco, apontado como a maior credibilidade e audiência da TV em Rondônia e eleito o melhor apresentador da televisão, nos últimos cinco anos, está empenhando em eleger Marco Rezende, o advogado do Plantão de Polícia, para o cargo de deputado estadual pelo PDT, no próximo dia 3 de outubro.

- Precisamos de um deputado que tenha identificação com as causas do povo. O Marco Rezende que teve notória participação no Plantão de Polícia conhece nossa luta e se identifica com as causas – disse Dalton Di Franco durante um encontro com moradores no bairro Triangulo, em Porto Velho.

Segundo Dalton, o povo está cansado de eleger políticos aproveitadores. “Eles só aparecem em época de eleição, ganham os nossos votos e depois somem. Para encontrá-los é uma verdadeira aventura”. Nos últimos cinco anos, poucos ou quase nenhum político ajudou no Plantão de Polícia.
Para Dalton Di Franco, Marco Rezende é uma pessoa diferente. “Ele vai trabalhar mesmo e com muito afinco dentro de um projeto que temos para Porto Velho”.

“Em nome de cinco anos de Plantão de Polícia e dos milhares de atendimentos. Em nome da audiência e do trabalho que temos desenvolvido em prol do povo, eu peço a todos os nossos amigos e telespectadores para que votem em Marco Rezende 12312 para deputado estadual. É como se estivessem votando em Dalton Di Franco. Ele é nosso amigo”, afirmou Dalton.

Diariamente, Dalton Di Franco acompanha Marco Rezende em reuniões na Capital e em municípios como Ariquemes, Itapuã do Oeste, Candeias do Jamari, Nova Mamoré e Guajará-Mirim. Em todos os encontros com o povo, Dalton Di Franco sempre fala da necessidade de se eleger políticos fichas limpas, como Marco Rezende, que não tem o que nos envergonhar.

Quem já passou quatro anos na Assembleia Legislativa e nada fez não tem moral para chegar e pedir voto novamente do eleitor. E temos políticos. assim, que se apresentam de mãos vazias. São os caras de pau. Devem ser expurgados da vida pública.

Dalton Di Franco alerta ainda para a compra de votos, como a oferta de gasolina para adesivar veículos. Não se deve negociar, vender ou trocar o voto. Voto não tem preço. Tem conseqüências. O povo, além de recusar essas negocias, deve denunciar os maus políticos ao TRE.

CHAPA UM DIVULGA PROPOSTAS PARA O CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO


Amigo administrador

Em breve você vai escolher os novos conselheiros do CRA/RO. Apresento meu nome e de meus companheiros de chapa e nossas propostas, que seguem em anexo e estão disponíveis no site www.chapaum.adm.br.

São propostas fruto da vivência administrativa de quatro anos, em que estive à frente da diretoria de desenvolvimento profissional e institucional, como vice-presidente e em seguida presidente do Conselho, diante da renúncia do presidente após um mês de mandato.

Neste período de quatro anos, o CRA foi fortalecido como instituição defensora dos administradores, foi aprovado o plano de cargos e salários e ampliado o número de servidores para melhor atender aos filiados e proporcionar mais eficiência administrativa. E todas as contas foram aprovadas pelo CFA .

Agora vivemos um novo momento, em que a busca de mais filiados é importante para suprir o desmembramento do Acre, bem como a intensificação das ações de fiscalização em defesa do exercício da profissão. Dar visibilidade ao CRA também é nossa meta, pois entendemos que através de uma eficaz e moderna política de comunicação social e institucional será mais fácil firmar convênios com instituições públicas e particulares com vistas a proporcionar mais benefícios aos filiados e ao Conselho.

O slogan de nossa Chapa é "Empreender e Fortalecer", e traduz a preocupação com um fator essencial para o profissional: o mercado de trabalho, em sua grande maioria, formado por pequenas e micro empresas com alto índice de mortalidade empresarial. Desenvolver políticas de empreendedorismo junto a estas empresas e fortalecê-las é garantir demanda no mercado de trabalho a todos os profissionais

E uma meta mais ousada é a construção da nova sede do CRA, cujos recursos do projeto arquitetônico foram obtidos junto ao Conselho Federal. A licitação já foi iniciada.
Porém, a mais importante proposta é ouvir os filiados, a exemplo do que sugeriu o Adm. Carlos Adriano e que consta em nossas metas. Assim será durante nossa administração.

Em síntese, queremos uma administração democrática, com colaboração do filiado e sua ajuda na condução dos destinos de nosso Conselho.
Porto Velho, 3 de setembro de 2010

Adm. Francisco Emanoel Silveira
CRA|RO 650 RD | Chapa 1
francisco.emanoel@chapaum.adm.br

Propostas:

1) Melhorias nas Condições de Trabalho: O atual contexto, em que se encontra o mercado de emprego no Estado de Rondônia, exige da organização, que deseja reter seu capital intelectual, a adoção de medidas que visem tornar cada vez mais atrativa a permanência do colaborador na organização. O crescimento de algumas cidades acompanhado pela chegada de grandes indústrias no Estado e aumento da demanda de servidores para o serviço público desenha um quadro repleto de oportunidades para os profissionais da região.
2) Aquisição de Veículo: Sem um meio de transporte próprio, o aumento no número de registrados, tanto pessoas físicas quanto jurídicas, e conseqüente crescimento do Conselho, dificultou sobremaneira a realização de diversas atividades cotidianas, tais como fiscalização in loco, pagamento de contas e trânsito de documentos com outros órgãos.
3) Reforma da Sede: O prédio onde atualmente funciona a sede do CRA/RO/AC tem mais de 12 anos, necessitando urgentemente de uma reforma não só para reparos na pintura e afins, como também para adaptação ao mobiliário adquirido nos últimos anos e o incremento no número de colaboradores.
4) Atualização do Sítio Eletrônico: O Site é uma importante ferramenta de comunicação entre o profissional de Administração, estudantes, IES, empresas e o CRA/RO, fazendo-se necessário que este se mantenha atualizado constantemente com o máximo de informações necessárias para facilitar o relacionamento entre o Conselho e seus clientes.
5) TV Web – CRA|RO: Com recursos para Vídeos, estaremos divulgando as ações do Conselho, criando momentos de encontros com a comunidade de classe dos administradores, tecnólogos, proporcionando oportunidades de entrevistas com os profissionais que estão atuando em Rondônia, parcerias com os apoiadores dos programas. TV Web CRA|RO será realizado pela internet através dos recursos de streaming de Vídeo.
6) Fiscalização Preventiva da Profissão de Administrador no Serviço Público: O CRA recebe, freqüentemente, manifestações dos Administradores cobrando uma postura firme do Sistema em defesa dos mesmos junto ao Serviço Público Federal, Estadual e Municipal, em razão da maioria dos editais de concursos, com cargos de Administrador ou privativos deste, abrirem concorrência para qualquer profissional de nível superior, infringindo a Lei nº 4.769/65.
7) Fiscalização Preventiva de Pessoas Jurídicas Prestadoras de Serviços de Administração: Facilitar o trabalho de fiscalização do CRA, referente a pessoas jurídicas prestadoras de serviços de Administração para terceiros.
8) Workshops nas IES: Os estudantes dos cursos de graduação em Administração, Bacharéis em Administração e Administradores constituem a mais significativa parcela dos clientes que fazem uso dos serviços prestados pelo CRA/RO/AC, necessitando assim de uma atenção especial, visando estreitar seu relacionamento com o CRA/RO/AC para que esses possam vislumbrar a organização como principal parceira na busca da valorização da profissão de Administrador.
9) A Responsabilidade Técnica do Administrador: A Responsabilidade Técnica do Administrador por empresas prestadoras de serviços de Administração é pouco difundida no meio empresarial e junto aos próprios Administradores, necessitando de um amplo trabalho de esclarecimento aos Administradores e dirigentes de empresas registradas no CRA. A divulgação e valorização desta atividade propiciarão maior envolvimento entre a empresa e seu Responsável Técnico, demonstrando que o Administrador é fator de sucesso das organizações.
10) Semana do Administrador: Para o CRA/RO como entidade fiscalizadora do exercício da profissão de Administrador é imprescindível a realização de eventos em comemoração ao dia do Administrador visando a difusão da ciência da Administração no meio social.
11) Banco de Palestrantes Voluntários: A criação de um banco de palestrantes voluntários auxiliará na realização de eventos nas IES, facilitando a transferência de conhecimento científico e institucional aos acadêmicos dos cursos de Administração, devido à redução nos custos dos eventos.